Crônicas

  • Uma experiencia na Austrlia
    Arnaldo Niskier - 2017-12-31



    Minha neta Paula Flanzer tem 16 anos bem vividos.  Estuda o ensino médio no excelente Colégio Eliezer Max, mas entendeu que deveria viver uma experiência internacional.  A escolha recaiu sobre a Austrália, onde ela se matriculou na ALL Saints, situada na cidade de Gold Coast.


    Foram seis meses inesquecíveis. Ela foi “adotada” por uma família local e frequentou uma escola de extraordinária qualidade, em todos os sentidos.  Estabelecimento tipicamente australiano, com excepcionais laboratórios e tecnologias de primeiríssima qualidade (computadores de todos os tipos, impressão 3D, etc.)


    O que Paula ficou impressionada foi com a dedicação dos professores.  Eles acompanham de perto os alunos, com muito carinho, sem perder o respeito devido a cada um deles.  O curioso é que não valorizam particularmente a nota, mas todo o processo. Cada professor tem a sua própria sala.  Os alunos é que se deslocam, de acordo com as suas preferências. Há um professor para cada especialidade. Os alunos têm mais de 20 matérias para escolher a sua grade, que passam por  Culinária, Business e Ciências. A Matemática é obrigatória, e os alunos podem escolher o nível, de acordo com as suas possibilidades. A escola ajuda nessa escolha.


    É uma escola anglicana, mas extremamente plural e aberta às diversidades.  O aluno que não seja anglicano não se sente tolhido em suas origens. Outra particularidade é o tempo de estudo, pois os professores valorizam a liberdade dos seus discípulos.


    Há uma nítida preocupação com a atividade extra-classe (visita a museus, viagens etc), além do incentivo a ações comunitárias, o que lá é muito comum e apreciado, assim como a educação ambiental.  Valorizam muito a formação de grupos que cristalizam amizades para toda a vida.


    Outra observação atraente é o apreço pela música e o teatro.  Os alunos vocacionados para essas artes são destacados e têm apresentações sistemáticas.  O auditório da escola é confortável, com os seus 600 lugares, sempre muito utilizados. Cultura integra o processo de forma  permanente.


    Presença constante no processo é o esporte, com preferência para o basquete, o voleibol, o pólo aquático, atletismo e os esportes locais.  A Austrália não é líder universal, mas tira sempre boas notas no Pisa, quando são dimensionadas a leitura(6º), as ciências(13º) e a matemática (8º).   Como se vê, são boas colocações.


    A escola é de tempo integral (das 8h30 às 15h30) e é paga.  Tem uma enorme fila de espera para a matrícula, dado o bom conceito de que goza.  Pode-se afirmar que Paula teve uma notável experiência. Trouxe boas ideias para o Rio de Janeiro e particularmente para sua escola.

     
  •  
    • Twitter - Arnaldo Niskier