Crônicas

Aprendizagem e renovação
Arnaldo Niskier

Quando o MEC realizou, este ano, o exame de proficiência do  Sistema de Avaliação da Educação Básica, concluiu que há um quadro generalizado de carências nas disciplinas ligadas à Leitura, Escrita e Matemática, a exigir providências imediatas de correção de  rumos.  Estamos longe dos níveis 3 e 4 (adequado e desejável) em Leitura.  
 
Em Escrita, os alunos que se encontram nesse nível não escrevem adequadamente a  palavras.  Em relação à produção de textos, os estudantes provavelmente não escrevem o texto ou produzem textos ilegíveis.  No ano passado, 34% dos estudantes brasileiros apresentaram proficiência insuficiente na Escrita.  A maioria dos estudantes é do Norte/Nordeste.
 
Com relação à Matemática, onde temos ido muito mal nos exames internacionais, não conseguimos reconhecer nomenclatura de figura geométrica plana, nem o valor monetário de cédulas.  Andamos mal no Norte, Nordeste e Centro-Oeste, o que pede providências elementares dos educadores, associados às autoridades do Inep, responsável pelos testes do SAEB.
 
É claro que as providências devem ser tomadas desde a origem da educação básica.  Daí a importância que se deve dar ao fenômeno da Aprendizagem, um dos elementos nucleares do que chamamos de Educação de Jovens  e Adultos (Eja), que era o antigo ensino supletivo.  Compunham esse quadro de elementos nucleares a Qualificação, a Suplência e o Suprimento, este último também conhecido como Educação Contínua ou Permanente.  
 
Não se pode e nem se deve descuidar de todos esses elementos, na educação brasileira.  Ao contrário, estamos sendo chamados a cuidar com prioridade do aperfeiçoamento da nossa educação. 
 
Nisso,  o Centro de Integração Empresa-Escola, como fazemos no Rio de Janeiro, se empenha ardorosamente, mobilizando seus professores e os quase 40 mil estagiários e aprendizes  com que conta em seus cursos.
 
Não se deve aprender Matemática sempre da mesma forma e no mesmo ritmo.  Desde que o psicólogo B.F.Skinner, formado na Universidade de Harvard, inventou a primeira “máquina de ensinar”, nos idos de 1953, educadores devidamente antenados orientaram  seus alunos a aprender cada qual em seu ritmo.  Assim,  o processo se caracteriza por tempos de euforia e desânimo, com a entrada dos computadores em cena.  
 
Critica-se o conservadorismo dos professores, mas elogia-se os herdeiros de Skinner, como Mark Zuckerberg e Bill Gates, que passaram a utilizar softwares para personalizar a aprendizagem, com uma verdade incontestável: a tecnologia educacional precisa estar a serviço do ensino, e não o contrário.Tais conceitos valem para 1,5 bilhão  de crianças matriculadas na educação básica do mundo inteiro
 
  • Twitter - Arnaldo Niskier
  • Facebook - Arnaldo Niskier
  • Orkut - Arnaldo Niskier