Crônicas

Nuvem de livros
Arnaldo Niskier

 

Trata-se de projeto original, que focaliza um verdadeiro buraco negro na cultura brasileira: a ausência de um número sequer razoável de bibliotecas escolares em todo o país.  O Brasil tem hoje cerca de 200 mil escolas de educação básica.  Desse total, 130 mil escolas não têm bibliotecas dignas desse nome, ou seja, 65%.  Pode-se inferir que aproximadamente 15 milhões de alunos não utilizam biblioteca, embora a Lei nº 12.244, de 24.5.10, preveja que até 2020 todas as escolas, públicas e particulares, deverão ter pelo menos uma biblioteca.  E cada uma delas deverá ter, no mínimo, um livro por aluno matriculado.
 
 O projeto “Nuvem de livros”, elaborado pela Gol Mobile, parte do princípio de que há quase 250 milhões de linhas de celular em operação no Brasil e que estamos em 3º lugar no ranking mundial do mercado de computadores, com 58 milhões de conexões banda larga.  É a grande chance de criar uma biblioteca on-line, para ser acessada de dispositivos conectados à internet.
 
 Os conteúdos das obras selecionadas por peritos de primeira ordem podem ser alcançados por milhares de usuários simultaneamente, despertando um interesse inusitado pela riqueza do que se contém nos livros existentes.  Segundo o publicitário Roberto Bahiense de Castro, diretor de relações institucionais do Grupo Gol, estamos próximos de alcançar a desejada democracia do conhecimento, igualando, nesse potencial, escolas públicas e particulares.
 
 A variedade de ofertas é quase infinita, abrangendo dicionários, vocabulários, livros didáticos de todas as matérias da matriz  curricular, romances, ensaios, livros de poesia etc.  A “nuvem” estima ainda a existência de reforço escolar, visitas guiadas, salas temáticas, salas do professor e livrarias propriamente ditas, onde o usuário encontrará obras inimagináveis.  Se o aluno estiver interessado em trigonometria, por exemplo, encontrará todas as lições de reforço, para sanar as suas dúvidas.  O mesmo, é claro, com as outras matérias da educação básica.
 
Dará ao professor a oportunidade de oferecer visitas guiadas aos nossos grandes museus ou chegar até a Biblioteca Nacional, sem sair de casa ou da sua sala de aula.  Pela “nuvem” o professor consulta os relatórios de acompanhamento das suas turmas e toma conhecimento, para transmitir aos alunos, das recomendações de leitura, numa incrível variedade.
 
 A riqueza desse instrumental vai além e chega aos cursos de idiomas e oferece ainda a sonhada formação continuada de professores, com bibliografia específica e o incentivo ao emprego de novas tecnologias na escola.  Nada mais moderno.  É claro que o público-alvo não se esgota no ensino médio, alcançando também as Universidades, com as suas bibliotecas temáticas (Arquitetura, Administração, Direito, Medicina, Educação etc).  Muitas editoras (cerca de 80) já se associaram ao empreendimento, garantindo a qualidade de tudo o que se está oferecendo.  Estamos certos de que muito se ouvirá falar da “nuvem de livros”, que ora surge como inovação.   
  • Twitter - Arnaldo Niskier
  • Facebook - Arnaldo Niskier
  • Orkut - Arnaldo Niskier