Crônicas

Paixão pela Literatura
Arnaldo Niskier

Um fato em educação não admite sofisma: os alunos que, desafiando as dificuldades, escrevem melhor são os que mais leem.  Não se conhece uma pesquisa nacional confiável sobre essa verdade, mas se considerarmos os resultados das maratonas escolares, promovidas por Secretarias de Educação, isso pode ser revelado, com uma indisfarçável ponta de otimismo.  Quanto mais, melhor.  É o começo da paixão pela leitura.
 
No Rio, a Secretaria Municipal de Educação realiza pela quinta vez consecutiva a sua maratona escolar.  Depois de Euclides da Cunha, Rachel de Queiroz, Erico Veríssimo e Ariano Suassuna, chegou a vez de trabalhar a vida e a obra de Guimarães Rosa.  A secretária Cláudia Costin, na Academia Brasileira de Letras (parceira do empreendimento), recordou que, ao dirigir o Círculo de Leitores, em São Paulo, trouxe jovens alunos de favelas de  São Bernardo do Campo para a capital, a fim de melhor se inteirar da obra do autor de “Grande sertão:  veredas”.  Concluiu que os resultados, em termos de motivação para a leitura, foram verdadeiramente excepcionais.  Confia  na repetição desse êxito, agora em outra capital.
 
Essa preocupação oficial, em termos culturais, integra o programa “Uma cidade de leitores”, voltado para alunos de  8º e 9º anos do ensino fundamental e da educação de jovens e adultos (EJA).  Os estudantes ouvem  palestras de acadêmicos sobre Guimarães Rosa, podendo com eles tirar dúvidas porventura existentes.  Depois, farão redações sobre qualquer obra do escritor de Cordisburgo(MG), nascido em 1908, e que viveu uma dramática experiência com a Academia Brasileira de Letras.  Não queria se candidatar.  Temia pela emoção do que isso poderia  representar.  Vencido pela insistência de amigos, entre os quais se incluía Pedro Bloch, cedeu e aceitou o pleito.   Venceu, mas  adiou a posse por quatro anos, fato inédito,  até que em 1967 resolveu assumir a sua cadeira.  Fez um bonito discurso, muito aplaudido.  Morreu quatro dias depois, confirmando a sua premonição.
 
Os contos e romances de Rosa, como era conhecido, ambientaram-se quase todos no sertão brasileiro, que ele conhecia pessoalmente de diversas visitas, empunhando o seu caderninho de notas.  Registrava expressões próprias que se tornaram o hit das suas obras.  Elas ultrapassaram o regionalismo tradicional, para se tornar universais.  Daí a existência de inúmeras traduções para diversos idiomas, tarefa que aparentemente parecia impossível de ser executada.  As suas veredas ganharam o mundo.
 
Guimarães Rosa foi também médico e um diplomata aplicado.  Em companhia da sua mulher Aracy, na II Guerra Mundial, ajudou a salvar a vida de inúmeros judeus perseguidos pelo nazismo.  Era cônsul adjunto em Hamburgo.  Teve uma vida e uma obra muito ricas, daí o acerto da lembrança, nas bem sucedidas maratonas escolares.
  • Twitter - Arnaldo Niskier
  • Facebook - Arnaldo Niskier
  • Orkut - Arnaldo Niskier