Crônicas

Os irmãos Gusmão
Arnaldo Niskier

A influência do messianismo do padre Antônio Vieira sobre os cristãos-novos judaizantes foi extremamente forte, como podemos verificar no pensamento dos irmãos Gusmão.
 
Alguns autores revelam que os irmãos Gusmão – Bartolomeu, Alexandre e João Alves de Santa Maria – que ocuparam cargos importantes e desfrutaram prestígio junto ao rei D. João V – têm origem judaica. Nascidos em Santos, ainda meninos foram amparados, financeiramente, por um jesuíta português de nome Alexandre de Gusmão, que os levou para o Seminário de Belém, em Cachoeira, e de quem adotaram o sobrenome.
 
Ordenado sacerdote na Companhia de Jesus, Bartolomeu mudou-se, em 1701, para Lisboa, onde aprofundou-se nos estudos de matemática e física. Realizou, perante a corte portuguesa, a primeira demonstração da “Passarola”, uma espécie de balão que construíra para voar. A partir de então, ficou conhecido como o “padre voador”.
 
Desenvolvendo com profundidade estudos sobre a Bíblia hebraica, “o padre voador” estudou com afinco o livro do profeta Daniel, acabando por rejeitar a autoridade papal e adotar a religião judaica. Enfrentando perseguições junto ao Santo Ofício, fugiu, com o irmão João, em direção à Inglaterra. Ambos usaram novos nomes, Miguel e Gabriel. Respeitando as leis dialéticas judaicas, levaram alguns livros em hebraico e deram um sentido messiânico à fuga inquisitorial.
 
Consta em livros de alguns historiadores que Bartolomeu (Miguel) criou delírios de que era profeta de Deus, destinado para Messias. Entre seus delírios, tinha o objetivo de tirar os judeus da diáspora e restaurar Israel. Condenava veementemente o funcionamento da Inquisição e sua corrupção. Em resposta aos preconceitos dos que se diziam “puros” e “castiços”, redigiu uma carta endereçada aos “Ilustres Senhores Puritanos”, na qual demonstrou que nenhum português podia afirmar ser limpo de
sangue, pois todos tinham parcela de sangue judeu. Faleceu em Toledo, aos 39 anos, em 17 de novembro de 1724. Sob identidade falsa, recebeu a extrema-unção e foi sepultado na Igreja de São Romão Mártir.
 
O irmão João de Santa Maria foi preso pela Inquisição em Madri. Circuncidou-se no interior do cárcere, e nos textos de defesa do processo inquisitorial encontramos expressos os ideais em que ele e Bartolomeu acreditavam, fortemente influenciados pelo messianismo do padre Antônio Vieira.
 
O outro irmão, Alexandre de Gusmão, galgou as mais altas posições na Corte Portuguesa. Foi embaixador, professor universitário, escritor, tradutor, secretário do rei D. João V, secretário de Estado e considerado um dos cinco maiores mercantilistas portugueses. Corria na Corte que a família Gusmão possuía antecedentes judeus, e Alexandre também foi perseguido por antipatias pessoais, inveja e intrigas. Suas maiores preocupações foram a defesa dos territórios coloniais e seus limites. Foi responsável pela povoação da região sul do Brasil com casais açorianos, o que distinguiu sua colonização, uma vez que no Nordeste as grandes propriedades escravistas eram prioritárias, e, no Sul, se destacavam as terras cultivadas familiarmente e em pequenas extensões. Em 1750, com a morte do monarca D. João V, Alexandre de Gusmão perdeu seu espaço político. Nesse momento, sobressaiu o futuro Marquês de Pombal. Não conseguiu salvar da fogueira seu melhor amigo, 
Antônio José da Silva, de alcunha “o Judeu”. Morreu isolado no dia 31 de dezembro de 1753.
  • Twitter - Arnaldo Niskier
  • Facebook - Arnaldo Niskier
  • Orkut - Arnaldo Niskier