Crônicas

Salamanca ouve bandeira
Arnaldo Niskier

Por iniciativa do seu Centro de Estudos Brasileiros, a Universidade de Salamanca, uma das mais tradicionais do mundo (data de 1218), ouviu com muita 
atenção as palestras de dois acadêmicos brasileiros sobre a vida e a obra do poeta Manuel Bandeira. O primeiro a falar na instituição espanhola foi Marcos Vinicius 
Vilaça, que fez um inteligente apanhado sobre alguns dos melhores poemas de Bandeira. 
 
Depois, foi a nossa vez. Demonstrei o pioneirismo do poeta pernambucano em relação ao modernismo na literatura brasileira, para terminar com o seu inspirado 
“Louvado para Rachel de Queiroz”, sempre uma homenagem tocante à figura inesquecível da primeira mulher a entrar para a Academia Brasileira de Letras, o que 
aconteceu em 1977.
 
Levado pelo diretor Manuel Portillo Rubio, de uma gentileza sem limites, fomos conhecer algumas das preciosidades da Usal. Passamos pela sala em que lecionou Unamuno, o prédio onde ele exerceu a reitoria, depois o salão solene em que receberam os títulos de doutor honoris causa os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso e Luís Inácio Lula da Silva. É claro que não poderíamos deixar de conhecer a sua biblioteca, de mais de 300 mil volumes, além da seção da Biblioteca Nacional em 
que se encontra, como raridade, uma Torá (doutrina judaica) do século XVI. Não se sabe objetivamente como foi parar ali, no cofre em que entramos com todos os 
cuidados. Os judeus foram expulsos da Espanha pelos reis católicos Isabel e Fernando no século XV – e boa parte deles emigrou para Portugal. Mas alguns ficaram no interior da Espanha, naturalmente escondidos, e produziram aquele precioso documento por intermédio de escribas altamente especializados. A Torá tem 305 mil palavras, todas desenhadas à mão, compondo um valioso documento. O curioso é que não foi parar em nenhuma sinagoga, mas sim nos domínios da Biblioteca Nacional, onde zelam pela sua integridade. Não se pode tocar nas suas páginas, nem fotografar de perto.
 
A Universidade de Salamanca tem hoje cerca de 40 mil alunos (500 são brasileiros) e o principal dos seus afamados cursos é o de Direito. Pela excelência dos 
seus cursos, a Usal é uma referência essencial para outras Universidades do mundo hispânico. Elas seguem os seus passos. A Usal sempre marcou presença, nas três fases 
da sua existência: medieval, moderna e contemporânea. Salamanca nasceu depois de outras Universidades destacadas, como as de Bolonha, Paris, Montpellier e Oxford, 
seguindo mais de perto a orientação da primeira delas, de ênfase jurídica. De início, proibiu o alunado feminino, como era comum naquela época.
 
O seu método tradicional de ensino derivava de certos livros e autores consagrados: corpus de Direito romano e decretos pontificiais; a Bíblia e uma escolástica teológica de predomínio tomista no século XVI; síntese galênica em Medicina; Lógica e Filosofia aristotélicas; Euclides, Ptolomeu e os clássicos latinos e 
gregos etc. Tudo se consolidou com o passar dos tempos, marcando a essência cultural da Universidade de Salamanca.
 
  • Twitter - Arnaldo Niskier
  • Facebook - Arnaldo Niskier
  • Orkut - Arnaldo Niskier