Crônicas

Uma viagem filosófica
Arnaldo Niskier

Com as rendas coloniais em franco declínio, exauridas as jazidas de ouro, a rainha D. Maria I, de Portugal, desejava conhecer melhor o Centro-Norte do Brasil.  Designou Alexandre Rodrigues Ferreira, naturalista baiano que vivia em Portugal, para empreender uma “Viagem Filosófica pelas Capitanias do Grão-Pará, Rio Negro, Mato Grosso e Cuiabá”.  A ideia era explorar a região, conhecendo as virtudes da fauna, da flora e das populações locais.  A viagem se fez entre 1783 e 1792.
 
Hoje, comemora-se o segundo centenário da morte desse especialista, formado na Universidade de Coimbra e membro correspondente da Real Academia das Ciências de Lisboa.  Graças aos seus estudos, é possível examinar amostras de utensílios utilizados pela população, além de comentários filosóficos e 
políticos da vasta região.  Há um rico material  na Biblioteca Nacional brasileira e no acervo da Academia das Ciências de Lisboa.  Nenhuma viagem foi mais importante, no período colonial, com as suas características de pragmatismo que a distingue das demais.
 
Não dispunha de muitos recursos, por isso contou com  apenas dois desenhistas ou riscadores, como se  dizia na época, e um jardineiro botânico, chamado Agostinho do Cabo.
 
A  viagem foi subsidiada pela Academia das Ciências de Lisboa e pelo Ministério dos Negócios e Domínios Ultramarinos, tendo sido planejada pelo naturalista italiano Domenico Vandelli.  Contou com apenas um naturalista.   Tinham sido previstos quatro.  Começou, no Brasil, em outubro de 1783, quando aportou em Belém do Pará a charrua “Águia e Coração de Jesus”.
 
Depois de percorrer as ilhas de Marajó, Cametá, Baião, Pederneiras e Alcobaça, subiu o rio  Amazonas e o Negro até os limites das terras espanholas.  Dos rios Madeira e Guaporé foi até Vila Bela da Santíssima Trindade, então capital de Mato Grosso.  Seguiu para Cuiabá e navegou pelos rios Cuiabá, São Lourenço e Paraguai.  Depois de nove anos, voltou a Belém do Pará, mapeando as comunidades indígenas e seus costumes, além de avaliar as potencialidades econômicas da região, como era o seu propósito inicial.
 
Os diários da “Viagem Filosófica” mostraram o quadro das lavouras existentes, procurando explicação para o seu declínio, sobretudo após a expulsão dos jesuítas pelo marquês de Pombal.  Entre as causas apontadas, a indolência dos nativos, a falta de braços e a redução do número de escravos negros.  Já na ocasião, Alexandre Rodrigues Ferreira clamava pela racionalização das culturas e a introdução de técnicas adequadas à lavoura e ao solo.  Em cada comunidade, as virtualidades eram medidas pela existência de trabalhadores ativos e inativos, o número de brancos, índios, negros escravos, mulheres, crianças e velhos.  Assim se podia alcançar a viabilidade econômica dos lugarejos visitados.  O naturalista passou a conhecer o quadro das colheitas de farinha, arroz, milho, cacau, café e tabaco.
 
O  “Diário de Viagem Filosófica” foi publicado na revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, em 1887.  Na Biblioteca Nacional, a Divisão de Manuscritos conserva centenas de documentos desse feito, além de  papéis referentes à Amazônia do século 18.  Parte se encontrava  no Museu Bocage, de Lisboa,
infelizmente desaparecida num incêndio.
 
  • Twitter - Arnaldo Niskier
  • Facebook - Arnaldo Niskier
  • Orkut - Arnaldo Niskier