Crônicas

Sugestões para melhorar o ensino médio
Arnaldo Niskier

Em reunião da Academia Brasileira de Educação, o presidente, professor Carlos Alberto Serpa, desafiou os seus pares a apresentar sugestões a serem encaminhadas ao MEC, com o propósito de aperfeiçoar a educação brasileira.
 
No grupo de trabalho coordenado pela professora Terezinha Saraiva, fizemos uma série de propostas, entre as quais destacamos este decálogo:
 
1. Criar cursos técnicos, de acordo com as necessidades do mercado de trabalho e reservar 800 horas para a sua ministração, na 3ª série, deixando a escolha a cargo dos alunos; 
 
2. Preparar professores para os cursos técnicos; 
 
3. Elevar para 70% o domínio de Matemática e Leitura, num prazo de 5 anos; 
 
4. Ampliar o número de escolas de tempo integral, com professores de dedicação exclusiva e salários compatíveis;
 
5. Considerar o potencial da educação à distância. O Brasil tem, hoje, 1,1 milhão de alunos frequentando os vários cursos dessa modalidade;
 
6. Construir bibliotecas e laboratórios, especialmente de Informática; 
 
7. Criar, dentre os gestores escolares, o cargo de Inspetor de Qualidade de Ensino (IQE), para acompanhar adequadamente o cumprimento pleno do currículo escolar; 
 
8. Cuidar efetivamente da assistência aos alunos portadores de necessidades especiais, incluindo-se as altas habilidades (superdotados); 
 
9. Oferecer bônus aos professores e especialistas por resultados; 
 
10. Corrigir a defasagem idade/série.
 
Estamos hoje com 8,3 milhões de alunos no ensino médio. Só a metade se forma, o que é uma demonstração inequívoca de desinteresse, a merecer providências radicais do Poder Público. Parece evidente que seja necessário um choque de atratividade nesse nível de ensino.
 
Como é notória a falta de recursos financeiros, entende-se como ideal a parceria com o Sistema S, a fim de assegurar bons resultados no ensino profissional, que tem um vasto campo para crescer, dentro e fora do Pronatec. Não é lógico que apenas se retire desses bons cursos parte do seu financiamento para suprir carências oficiais.
 
Por outro lado, é preciso também promover o treinamento intensivo dos professores, para melhorar a sua performance. Eles devem ter mais conhecimento de como lecionar. Não basta só o domínio dos conteúdos. É um problema que nos leva a reivindicar uma ampla reforma dos cursos de Pedagogia.
 
Para as mudanças aqui sugeridas é indispensável promover reformulações na LDB (Lei nº 9394/96), trabalho que envolve certamente as responsabilidades do Conselho Nacional de Educação.
Há projetos em curso, no País, que podem colaborar para a correção de rumos, como é o caso da vitoriosa Nuvem de Livros. A educação básica assinala uma brutal carência de bibliotecas e aí pode estar uma ajuda inestimável.
  • Twitter - Arnaldo Niskier
  • Facebook - Arnaldo Niskier
  • Orkut - Arnaldo Niskier