Crônicas

O que se espera do novo plano
Arnaldo Niskier

Alunos dispostos como se estivessem num ônibus lotado; aulas expositivas ao estilo “magister dixit” dos velhos tempos, com gosto dos tradicionais trivium e quadrivium  da educação clássica – eis o quadro encontradiço na grande maioria das escolas brasileiras de ensino médio. Modernidade? Só naquelas que, a duras penas, conseguiram a doação de computadores solitários.
 
Nos planos oficiais, os conteúdos, por intermédio das diretrizes curriculares, fizeram dez anos de serviços, alcançando uma estabilidade altamente questionável.  Quase nada muda no que se refere ao desenvolvimento intelectual dos alunos, embora permaneça o dispositivo constitucional da aprendizagem como um direito social, devendo ser oferecida com qualidade. Pudera, as escolas, sobretudo as públicas, operam sucateadas, sem estrutura condizente, e conduzidas por professores justamente desmotivados, em virtude da tibieza dos seus salários. No Brasil há solução para quase tudo, menos para encontrar uma resposta condigna para essa questão que vem desde meados do século passado.
 
É certo que o perfil do aluno está mudando. Em busca da sonhada empregabilidade, ele reivindica o domínio de línguas estrangeiras modernas (pelo menos o inglês, como segunda língua) e o conhecimento dos mistérios da Internet, cujo domínio passou a ser sinônimo de status.  Há um novo e instigante perfil psicológico dos jovens – e isso o Plano Nacional de Educação, que  está  em discussão no Congresso Nacional, deverá  contemplar, mas com uma perspectiva facilmente previsível: não deveremos contar com o apoio total dos mestres nesse processo, pois lhes falta a necessária autoestima.
 
Foi uma boa iniciativa alargar para nove anos a obrigatoriedade do ensino fundamental. Continuam, como desafios, os lamentáveis problemas da permanência e da conclusão, o que pode perfeitamente explicar os vazios da educação média, que sofre as consequências dos problemas trazidos da base. Muitos jovens dessa faixa etária crucial fogem da escola, com conhecimentos precários.  Muitas vezes se limitam a assinar o nome, caracterizando o que chamamos de analfabetismo funcional. Os conhecimentos de leitura e interpretação não passam de precários. Como pretender alunos críticos, reflexivos e investigadores, se lhes falta o essencial, que é o adequado domínio da língua portuguesa?
 
É certo que a formação deve ser orientada, no ensino médio, para a valorização dos conceitos humanísticos. Formar o cidadão, antes de pensar no profissional, como sempre defendeu o educador D.Lourenço de Almeida Prado, nos seus lapidares pareceres no Conselho Federal de Educação, ao tempo em que lá nos encontrávamos,  no período de 1986 a 1992.  
 
 Melhorar a educação brasileira, de um modo geral, pode ser uma utopia? Depende, naturalmente, da existência de uma política séria, no setor, conduzida por pessoas competentes e desinteressadas de proveito  pessoal ou político.  A boa escola deixará de ser uma utopia quando esse quadro se modificar.
  • Twitter - Arnaldo Niskier
  • Facebook - Arnaldo Niskier
  • Orkut - Arnaldo Niskier