Crônicas

Tradição e liberdade
Arnaldo Niskier

Para o filósofo Martin Buber, “a tradição é a mais nobre das liberdades.”  O povo judeu cultiva de modo enfático a sua memória, que desde os tempos bíblicos, é  transmitida de geração em geração por intermédio da tradição oral inscrita em diversas coleções reunidas sob o nome de Midrash.
 
Foram muitas as perseguições vividas pelo povo de Moisés, mas nenhuma teve o impacto do que ocorreu no Holocausto.  Seis milhões de mortos, sendo um milhão e meio de crianças.  Ao visitar o Yad Vashem, em Jerusalém, comoveu-nos a citação, num amplo anfiteatro totalmente no escuro, dos nomes de cada uma das vítimas inocentes da bestialidade nazista.
 
Garoto  ainda, fui conhecer no Estado de Israel a minha tia Rosza, irmã mais velha do meu pai.  Estranhei uma espécie de tatuagem no seu braço e perguntei a origem daquilo.  Ela, então, me contou a sua memória dolorida do Holocausto.  Muito jovem, foi aprisionada na Polônia pelos nazistas e levada para o campo de extermínio de Auschwitz.  Foi marcada com a letra e o número que jamais a deixaram, em todos os sentidos:
 
  A
– 19386  
Salvou-se por milagre, escondendo-se numa montanha de cadáveres e lá permanecendo durante três dias, fingindo-se de morta.  Aproveitou-se de um descuido da vigilância e fugiu para  uma floresta próxima, ganhando depois a sonhada liberdade e a acolhida de um caridoso casal católico.
 
Não é o único caso da família, que foi quase dizimada nas cidades de Ostrowiec e Osiec.  A exceção foi para os que desconfiaram da onda nazista e escapuliram para o Brasil, os Estados Unidos e o Canadá, onde puderam dar curso às suas existências, sem os riscos de tantas atrocidades.
 
 Como jornalista, conheci o campo de trabalhos forçados de Buchenwald, na então Alemanha Oriental.  Dados impressionantes: ali morreram de fome, sede e frio cerca de 60 mil judeus, quase todos nascidos na própria Alemanha.  Depois, na Alemanha Ocidental, visitei o campo de concentração de Dachau.  Foram conservadas as suas características de extermínio, sendo possível ver os chuveiros da morte e os terríveis fornos crematórios.  Custa a crer que a humanidade, nos tempos modernos, tenha vivido tamanho período de horror e perseguição.
 
Os nazistas, na II Guerra Mundial, assassinaram 20 milhões de seres humanos, seis milhões dos quais pelo simples fato de serem judeus.  É preciso lembrar isso tudo, quando a ONU criou o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto.  Esquecer? Jamais!
  • Twitter - Arnaldo Niskier
  • Facebook - Arnaldo Niskier
  • Orkut - Arnaldo Niskier