Crônicas

De onde veio o EAD?
Arnaldo Niskier



Foi muito proveitosa a live que mantive com o diplomara e escritor André Amado, ele filho do grande educador que foi Gildásio Amado, criador no MEC dos famosos ginásios orientados para o trabalho.

Lembrei que, no Conselho Nacional de Educação, a que tive a honra de pertencer, fui autor de um dos primeiros estudos sobre educação à distância em nosso país. Esses elementos foram cedidos, em 1996, ao então Senador Darcy Ribeiro, para colaborar na elaboração da Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), de que ele era relator. Assim nasceu a Lei nº 9394, vigente até hoje, com os primeiros artigos sobre EAD.

As inovações costumam “pegar” diante de alguma crise. A pandemia criou essa crise. Hoje, as escolas estão sendo obrigadas a conviver com as aulas remotas. Há muita improvisação, mas esse tipo de ensino híbrido veio para ficar.

Não vamos ter saudades da pandemia. Já existe ae notícia de que a Rússia encontrou a vacina salvadora. O Brasil também procura a sua, com parcerias envolvendo a China e a Inglaterra. Vivemos um novo normal e a educação exercerá papel crucial nesse processo.

Escrevi agora o livro “Memórias da Quarentena”. Aproveitei para recordar minha experiência como professor de História e Filosofia da Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, onde trabalhei por mais de 30 anos. Além de recordar a vida e a obra de grandes filósofos, abordei também algumas questões do momento, como a necessidade de recursos apreciáveis para a educação brasileira. Quando se tem consciência dessa prioridade, o governo federal anuncia que deve cortar 4 bilhões das verbas de 2021. Uma estranha maneira de demonstrar a sua adesão a essa questão.

A nova educação deve partir de premissas como a prioridade para as escolas municipais, a canalização de maiores recursos para viabilizar o ensino híbrido(fornecimento de equipamentos), aperfeiçoamento das ações em nossas Universidades, especialmente as públicas (criação de laboratórios e bibliotecas), para permitir que haja um respeitável avanço no desenvolvimento da educação, da ciência, da ciência, da tecnologia e da inovação em nosso país.

  • Twitter - Arnaldo Niskier