Crônicas

Obra de arte em Walter Benjamin
Arnaldo Niskier



Walter Benjamin nasceu em Berlim, em 1892, e morreu em 1940. Foi um competente ensaísta, crítico literário, tradutor e filósofo judeu. Associado à Escola de Frankfurt, foi grandemente inspirado por autores como Bertold Brecht e o místico judaico Gershom Scholem. Livros mais conhecidos: “A obra de arte na era da sua reprodutibilidade técnica”, “Os conceitos de História” e o trabalho inacabado “Paris, capital do século XIX”. Escreveu também “A tarefa do tradutor.

Seus pais eram comerciantes de produtos franceses. Nietzsche exerceu forte influência em suas leituras. Traduziu obras do alemão para o francês. Combinava ideias antagônicas do idealismo alemão, do materialismo dialético e do misticismo judaico. Nos últimos anos da década de .... ukács. Teórico sobre arte e cultura, escreveu grande parte de sua obra na forma de fragmentos.

O termo “aura” foi utilizado por Benjamim para designar os elementos únicos de uma obra de arte original. Ela estava relacionada à autenticidade. Foi amigo também de Freud.

Seu pensamento: “A informação só tem valor no momento em que é nova.” Ou esse outro: “Deus é quem nutre todos os homens, e o estado é quem os reduz à fome.” Ou ainda: “Convencer é infrutífero”. Sobre Paris, costumava repetir esse pensamento: “Nada tenho a dizer, só a mostrar.” O seu estilo procura mostrar lá onde os objetos da cultura ganham vida.

A esperança passou como uma estrela que cai do céu por sobre suas cabeças. Atento a um pequeno cometa que passa sobre um matagal escuro, coloca a esperança no centro da narrativa (os romances de Goethe, aqui lembram.., e que são incapazes de agir conforme seus desejos, cercados pelas convenções ...., as normas morais e as boas maneiras impostas por um casamento burguês.” Assim estudou as afinidades de Goethe, por meio de uma série de citações.

Walter Benjamin tinha obras com valor de eternidade. Quando maior fosse a sua popularidade, maior seria o seu valor.

  • Twitter - Arnaldo Niskier