Crônicas

Reflexões sobre Sabin
Arnaldo Niskier

Por iniciativa de Adolpho Bloch, em 1969, fui mandado para fazer uma palestra sobre Intercâmbio Cultural em Buenos Aires. Com uma vantagem inigualável: teria por companhia nada menos do que o cientista Albert Bruce Sabin, benfeitor da humanidade. Adolpho era o presidente da Sociedade Brasileira do Instituto Weizman de Ciências e tinha muito interesse em ampliar as relações com os argentinos. Fui e, de fato, ganhei muito com os dias passados ao lado do criador da vacina anti-pólio.

Ele era admirado, em todo o mundo, não apenas pelos seus dotes científicos, mas também, generosamente, abriu mão dos seus direitos (milionários) em benefício, segundo ele, “das crianças de todos os países.”

Sabin era um homem elegante em todos os sentidos. Tomou-se de afeição por mim e me chamava de “my nephew” (meu sobrinho) em todos os momentos. Ele falou à comunidade israelita de Buenos Aires, presidente que era do Instituto Weizman de Ciências de Israel, pugnando pela ampliação das relações entre os dois povos, e depois me cedendo a palavra para falar também sobre o tema. Modéstia à parte, a missão foi coroada de êxito.

O renomado cientista era natural da cidade polonesa de Bielystock (1906-1993). Naturalizou-se norte-americano e nos Estados Unidos desenvolveu o seu notável trabalho de cientista, criando as gotinhas mágicas contra a pólio, lançadas em 1961.

Vindo ao Brasil, a convite de Adolpho Bloch, ficou hospedado no prédio da Manchete. Num coquetel na casa da empresária Regine Feigl, conheceu a brasileira Heloísa Dunshee de Abranches, que se tornou sua esposa, o que faria com que ele voltasse ao nosso país diversas vezes. Era um admirador do Brasil e do nosso processo de vacinação, que considerava dos mais adiantados do mundo. Foi isso que avivou a minha lembrança.

Estive depois com ele em 1970, quando o visitei no famoso IWC. Conversamos muito sobre as relações científicas entre os dois países. Com a força da Manchete, entreguei essas ideias às instituições concernentes. É claro que gostaria que esta semente tivesse germinado.

  • Twitter - Arnaldo Niskier
  • Facebook - Arnaldo Niskier
  • Orkut - Arnaldo Niskier