Crônicas

Uma nova educação a partir do G5
Arnaldo niskier



Uma boa educação ensina a descobrir a beleza e o poder das ideias”. Esse é o papel do ensino ativo, como afirmou o pensador Alfred Whitehead (1861-1947). Não há dúvida de que se trata do papel mais nobre reservado aos professores, na sua missão insubstituível de mestres.

Depois de viver uma quase inacreditável catástrofe humanitária, devemos nos preparar para os novos tempos, já com os benefícios da geração 5.0 e do saber virtual. O futuro combina com novas oportunidades de emprego, sem que os jovens dependam apenas, unicamente, dos humores do Governo.

Continuamos a sonhar com todos os impactos que essa tecnologia vai trazer à vida dos brasileiros. Na prática, o 5G trará maior velocidade para baixar e enviar arquivos (cerca de 100 vezes mais rápido que comparado ao 4G) e conexões mais estáveis. Com uma internet mais rápida será possível a evolução de uma infinidade de atividades, incluindo a educação, oferecendo diversas funcionalidades que podem otimizar ainda mais o dia a dia.

O 5G na Educação vai proporcionar maior acessibilidade, otimizar as aulas híbridas em sala de aula, possibilitar o acesso à tecnologia da educação no ambiente escolar, assim como trazer diversas possibilidades e vantagens para o percurso curricular estudantil.  

De acordo com um estudo recente da Pearson, referência em sistema de ensino mundial, a tecnologia transformará a forma como os alunos aprendem no futuro. O 5G abrirá caminho para salas de aula mais inteligentes (e remotas) baseadas em plataformas de aprendizagem de realidade mista, muito eficazes com ambientes digitais. É comprovado que os alunos respondem melhor aos processos de ensino ativos e imersivos, melhorando a experiência e a retenção do conhecimento.

Essa nova tecnologia wireless também  promoverá um maior uso da IoT (Internet das Coisas), o que poderá gerar uma inclusão da robótica em sala de aula como material didático. Na Finlândia, onde o 5G já está mais consolidado, um robô que dá suporte às aulas de matemática e no aprendizado de idiomas já está em teste. Quando plenamente utilizado, o 5G poderá servir como uma ponte entre a realidade aumentada e as salas de aula da vida real.

 As operadoras nacionais já estão fazendo os próprios experimentos com a 5G no Brasil e disponibilizando isso aos consumidores. Um dos empecilhos para a viabilidade da tecnologia é que grande parte dos celulares em circulação não tem a capacidade de captar a rede 5G. No entanto, nos modelos de dispositivos móveis mais recentes, é possível identificar tal funcionalidade no aparelho.

Estima-se que a implantação das redes de telefonia móvel 5G deve conectar 85% das escolas brasileiras, até 2028. A aprendizagem será capaz de atingir novos níveis com instrutores holográficos. São cenas que parecem sair dos livros e filmes para se tornar, finalmente, uma realidade efetiva.

  • Twitter - Arnaldo Niskier