Crônicas

Pandemia e Ensino a Distância
Arnaldo Niskier



A crise do coronavírus, no Rio de Janeiro, provocou uma série de mudanças em nosso sistema escolar. O confinamento necessário levou à valorização da modalidade de educação à distância, onde já tínhamos algumas experiências notáveis. Na verdade, no Brasil, já são quase 2 milhões de alunos estudando online, num atestado de que trata-se de uma iniciativa muito bem sucedida.

A pandemia não tem prazo fixo, por isso a EAD tem que trabalhar a plena carga, em todos os níveis, como ocorre em 157 países, segundo dados da Unesco, em que férias foram antecipadas, ao lado do emprego de plataformas digitais e do ensino à distância. As Secretarias de Educação foram instadas a preparar materiais adequados, obedecendo às lições de John Dewey do “aprender fazendo” (learning by doing).

O importante é que o material leve à reflexão dos alunos, como se fez no Rio de Janeiro, com a sua tradicional Maratona Escolar, hoje com o nome de Desafio da Ciranda, desta feita prestando merecida homenagem à escritora Maria Clara Machado, segundo a educadora Andréia N. Ghelman, do Instituto Antares. A garotada lê os livros e escreve redações de 20 linhas, que serão julgadas por professores especializados. Isso pode ser feito segundo os princípios do “home office”, não necessariamente nas escolas, enquanto houver o risco de epidemia.

Neste processo cabe uma participação relevante aos professores, que seguem uma plataforma de relacionamento com pais e alunos. Eles enviam tarefas de casa, vídeos, materiais de apoio, avaliações, sugestões de trabalho em grupo etc. Como se vê, há um caminho determinado para superar a atual fase de confinamento, em que os mestres exercem um papel preponderante. Este monitoramento é fundamental.

Não é hora de desânimo. Ao contrário, é preciso estar atento ao tamanho do desafio imposto pelo destino. A crise certamente não será eterna. Em algum momento ela passará e, como num revezamento, devemos estar preparados para a retomada da educação presencial, sem ter desperdiçado esse tempo precioso. A EAD emergirá disso tudo como um mecanismo (ou modalidade) com o qual devemos nos acostumar, para utilizar como reforço escolar. Mais uma vez, recorremos ao talento do escritor israelense Yuval Noah Harari: “Devemos aprender com a história para enfrentar a doença.”

  • Twitter - Arnaldo Niskier