Crônicas

Show no cemitério
Arnaldo niskier



Em 1999, já na Academia Brasileira de Letras, quando assumi a presidência, não me conformei quando soube que o túmulo do Machado de Assis estava fora do mausoléu. Procurei a razão e me revoltei quando soube a causa: a família portuguesa da sua esposa Carolina, quando ele morreu, não permitiu que fosse enterrado junto dela. A causa: ele era preto. Resolvi acabar com isso. Mandei reformar o mausoléu no cemitério São João Batista e construí um espaço especial que abrigasse o casal, com toda a honra.

A inauguração, no dia 21 de abril, foi festiva. A filha de Carlos Lyra, a cantora Kay, cantou a música “Quando ela fala”, baseada num poema de Machado de Assis e realizou um
show de primeira qualidade:

Quando ela fala

Parece que a voz da brisa se cala

Talvez um anjo emudece

Quando ela fala.

 

Meu coração dolorido

As suas mágoas exala

E volta ao gozo perdido

Quando ela fala.

 

Pudesse eu eternamente

Ao lado dela escutá-la

Ouvir sua alma inocente

Quando ela fala.

 

Minh’alma já semi morta

Conseguiu ao céu alcançá-la

Porque o céu abre uma porta

Quando ela fala

Quando ela fala

Quando ela fala.

 

Na presença de muitos acadêmicos, foi uma das tardes mais bonitas vividas pela ABL, quando se pôs fim a uma grande injustiça e Machado pôde finalmente descansar para sempre ao lado da esposa querida.

  • Twitter - Arnaldo Niskier